02/08/2009

117


#O meu maior desejo era de desaparecer desse mundo. Gostaria de simplesmente deixar de existir. Que agora, ao abrir os meus olhos, eu estivesse num outro mundo, começando uma nova vida. Queria sumir sem deixar nenhum rastro de lembrança para trás. Que todos esquecem que um dia me conheceram, assim ninguém sentiria saudades de mim.#

Akito abria os olhos lentamente desejando realmente estar em outro mundo e não naquele quarto, entretanto ao firmar sua visão vê o mesmo teto branco de todos os dias.

#Hehe... como eu sou uma idiota mesmo, até parece que alguém sentiria saudades de mim..... Se eu desaparecesse desse mundo todos do clã ficariam satisfeitos e os possuídos aliviados. As únicas pessoas que poderiam sentir a minha falta já não estão mais nesse mundo.#

O patriarca escuta o bater na porta e volta a fingir que estava dormindo. A empregada entra com todo cuidado para não fazer barulho e coloca a bandeja com chá e alguns onigiris sob a pequena mesa no canto do quarto e retira a bandeja que tinha sido levada por ela duas horas antes. Ao ouvir o barulho da porta se fechando o Kamisama dos possuídos volta a abrir os seus olhos negros novamente.

#Como eu gostaria de voltar a viver aquela alegria que sentia quando o meu pai estava vivo e depois com a Eiko-chan, mas isso é impossível. Nunca mais viverei dias parecidos com aqueles. Desde que a Eiko-chan se matou, o meu mundo se transformou nesse mundo negro e solitário. Teria sido muito melhor se aquele monstro não tivesse nascido. Sem ele todos seriam felizes. A culpa é toda dele. Foi ele quem a matou.#

Uma pequena lágrima sai dos olhos de Akito molhando o travesseiro.

#Pobre Eiko-chan, apesar de ter dado à luz a um monstro horrendo, ela ainda assim conseguiu amá-lo.... Ela o criava com muito carinho.... Aquele mesmo carinho que um dia foi meu..... Como eu o odeio.... Aquele monstro maldito não derramou uma lágrima sequer por sua própria mãe. Aquele monstro não é capaz de amar ninguém.#

Akito passa a mão nos olhos secando as lágrimas e fica sentada na cama. Ela olha para o relógio que ficava ao lado de sua cama e vê que já estava no começo da tarde. Não tinha a menor vontade de se levantar daquela cama, mas sabia que tinha várias responsabilidades como o patriarca dos Sohmas.

#Por que é que eu não nasci como outra pessoa? Por que é que eu tinha que ser o kamisama e o patriarca? O meu pai não sentiu em seus ombros o peso de ser o kamisama dos possuídos, mas me lembro como ele falava com orgulho o fato de seu filho ser o kamisama.#

-É você Akito! A criança especial. A criança escolhida. A criança que nasceu para ser amada. Todos estávamos esperando por você. No seu futuro não haverá solidão ou medo.

Ao se lembrar das palavras de seu pai, a garota abaixa a cabeça e começa a chorar baixinho.

# Papai, o senhor estava errado..... Eu não sou amada por ninguém e só existe solidão em minha vida.#

-Todos nós podemos mudar o nosso destino....... Lute para não morrer na solidão.

#Será que o kamisama pode mesmo mudar o seu próprio destino? Não! Certamente que não pode. O Hatori também está errado. Nada posso fazer contra a solidão. Eu não posso nem contar os meus sentimentos para você.#

Akito ainda chorava baixinho quando sente que alguém sentou ao seu lado na beirada da grande cama de casal. Por alguns segundos ela ainda se mantem com a cabeça baixa e as mãos diante dos olhos, mas não chorava mais. Ela não sabia o que fazer naquele instante, não adiantava gritar e xingar uma vez que a pessoa já a tinha visto tão fragilizada. Seu desconforto fica ainda maior quando sente que uma suave mão afagava os seus curtos cabelos negros.

-Akito-san.

Ao escutar aquela voz, o patriarca abriu o máximo que conseguia os seus olhos e ao mesmo tempo a sua respiração ficou um pouco mais forte. Lentamente ela abaixa as mãos e vai erguendo o seu corpo para ficar sentada na cama, mas se mantem olhando para frente.

-Foi a Yoko quem te chamou?

-Não.

Hatori tira a sua mão que ainda afagava os cabelos da garota. Estava se sentindo um pouco envergonhado por ter a acariciado sem pensar. Mas quando entrou no quarto e a viu chorando tão dolorosamente, desejou fazer alguma coisa para que ela parasse de chorar. Na verdade, desejava que ela nunca mais tivesse motivos para chorar daquela maneira.

O patriarca se descobre e veste o seu quimono vinho que estava nos pés da cama e se levanta. Agora que ele estava ali no quarto era impossível não se lembrar de seu abraço e de suas palavras da noite anterior. Não querendo que o médico visse o quanto que ela tinha chorado, ela caminha para o banheiro sem lhe olhar, deixando a porta aberta.

-Por que está aqui tão cedo? Sempre vem me examinar no começo da noite.

Akito verifica a temperatura da água do ôfuro e começa a se despir para tomar um banho, achava que assim teria tempo para tirar qualquer evidencia de choro de seus olhos.

-Como estava passando ao lado da mansão quis vim ver como estava.

-Hunf...achei que era porque não queria me deixar sozinha.

Akito havia dito aquilo com um forte tom de deboche em sua voz, e entra no ôfuro com o coração batendo mais rápido. Estava muito irritada consigo mesma. O fato do médico a ver tão frágil nos últimos dias, agora a incomodava muito. Ela havia se esquecido que era a kamisama dele e a patriarca do clã.

Hatori fecha as mãos com um pouco de força e abaixa a cabeça, estava se sentindo ainda mais idiota agora.

#Como pude achar que ela queria me ver também? Akito-san é o nosso kamisama. É claro que ela nunca iria sentir algo especial por mim.... Ela pode até se sentir sozinha às vezes, mas a verdade é que ela não precisa de mim.#

by DonaKyon

5 comentários:

Sah-chan disse...

Akito-saaaaaaaaaaaaaaannn! Não faz isso pelo amor!
Conversa com ele vai, vc é amada por quem ama, isso é um presente dos deuses!

E HATORIIII virá homem e agarra ela logo! Af , vc nao ama ela nao?

DonaKyon disse...

Ahahahah...

Pensa que será assim tão fácil, Saah-chan?

Se esqueceu que eu sou a torturadora master dos possuídos. O que virá nos próximos dias, deixará a Akito como sendo uma simples aprendiz... huhuhuhuhu

^^

Sa-chan :) disse...

Ai DonaKyon, como vc é má! :|

é tão ruim sbaer que não é amada e o pior é que pros dois isso não é verdade!

mas entao, no fim vai ter que ser beeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeem aliviante para eles! :D (6)

Mas pior que quando vc judia a gente mesmo assim gosta!

fazer o que !

posta, posta,posta?

DonaKyon disse...

Ahahahahha

O que seria de uma torturadora como eu se não tivesse aquelas que gostam de ser torturadas?

Mas como já avisei, uma verdadeira tempestade se aproxima da vida dos Sohmas.

Na terça-feira estarei postando o começo do caos....

Knight Beast disse...

Belo retratamento dos sentimentos de AKito, incrivel como está sendo bem fiel, meus parabens