15/01/2010

186


-O gato foi o primeiro dos animais a se aproximar do Kamisama.

O médico olha para o homem com um olhar ao mesmo tempo de espanto e tristeza, queria que o dragão tivesse sido o primeiro. Ele abaixa a cabeça e pergunta com um tom mais baixo em sua voz.

-E porque me disse que principalmente eu terei que ficar ao lado da Akito?

-Porque o dragão foi o último dos animais a sair do lado do kamisama.

Era impossível não sentir certa nostalgia ao escutar aquilo, e sem entender os motivos, Hatori agora estava chorando. Ele esconde o rosto atrás das mãos e chora baixinho.

-Parece que eu já vivi isso.... Estão vindo cenas como se fossem de um filme muito antigo... Vejo uma pessoa tão linda, de cabelos negros bem longos, e sentada na minha frente. O gato está todo sorridente ao meu lado. Estamos sentados em círculo com os outros 11 animais. Ela está tão feliz e sorridente.....

O Médico agora começa a chora ainda mais, e apóia os cotovelos nas pernas e cruza as mãos atrás da cabeça. Não conseguia dizer nada naquele instante, chorava e sentia a mesma dor que havia sentido há muitos anos atrás.

-....Era isso que ele queria....... Ele não queria que ela fosse feliz apenas com a gente.... Queria vê-la sorrindo e feliz, ao lado das pessoas que eram iguais a ela também.... O gato não nos traiu.....

Kazuma ao escutar aquelas palavras sobre o gato fica emocionado. Pelas lembranças do possuído, aqueles relatos que explicavam o surgimento da maldição eram realmente verdadeiros.

-A verdadeira forma do gato ficou sendo aquela, devido aos sentimentos que os dozes animais e o Kamisama sentiram por ele, por acreditarem que ele não desejava a eternidade porque não queria ficar ao lado de vocês.

-Eu vi cada um deles morrerem depois, mas não havia tristeza em seus olhares, porque sabíamos que nos encontraríamos novamente, e que a nossa festa iria continuar na próxima lua cheia. Eu não queira ter a deixado sozinha novamente.... Fiz de tudo para que ela não perdesse aquele lindo sorriso de seu rosto, mas não consegui..... Eu a deixei sozinha e abandonada...

Hatori agora mordia o lábio inferior e depois aperta com mais força os seus braços, fazendo uma grande pressão sob sua cabeça.

-AAHHHH, Quando foi que começamos a desejar não está mais ao lado dela?..... Como foi que o Kamisama ficou assim? Será que ela ficou ainda mais solitária e triste por nossa culpa? O gato tinha razão, ela tinha que encontrar a felicidade entre os dela, e não isoladamente conosco.... Agora entendo o porquê que ela e o Kyo se aproximaram nesses dias. Na verdade era um antigo sentimento muito adormecido nos dois, e que finalmente teve uma oportunidade de surgir novamente.

Ao escutar aquilo, Kazuma arregala os olhos e sente um frio em sua espinha, lentamente ele vai se sentando no mesmo lugar que estava antes.

-Foram uns quatro dias antes.

Hatori levanta a cabeça e vê que o professor estava um pouco pálido, ele rapidamente passa a mão no rosto para limpar as suas lágrimas e se levanta para medir a pressão do homem.

-O que é que o senhor está sentindo?

-A Eiko-san se matou depois de quatro dias que a Akito retirou o bracelete do Kyo.

-Que?

-Lembro-me de ter encontrado o Kyo chorando alguns dias antes da sua mãe morrer. Vi aquela criança abaixada por entre as árvores perto do Dojo, estava nua e chorava baixinho. Eu já sabia que aquele menino era o possuído do gato. Quando comecei a caminhar para ver o que tinha lhe acontecido, vi a Eiko-san se aproximando dele. Ela chorava muito também enquanto colocava o bracelete no seu bracinho. Depois de cinco dias, eu falei com o Kyo pela primeira vez, no dia do funeral da sua mãe.

by DonaKyon

2 comentários:

Gii. disse...

Nossa. o_o'
Achei muito criativo as conexões com "pequenos detalhes" da história verdadeira que aparece no volume 23.
Parabéns pela criatividade. \õ/

Knight Beast disse...

ta de parabens pela criatividade