29/07/2009

115


-E você gosta do Haru?

-Não. Eu até que achei que gostava, mas depois vi que não gosto como ele disse que gosta de mim e como que a ratazana gosta dele...

-O que está lhe preocupando tanto assim?

Kyo olha para o mestre. De fato aquele homem o conhecia muito bem, ele era como se fosse o seu verdadeiro pai. Era a única pessoa que se preocupava realmente com ele.

-Estou com medo do que o patriarca poderá fazer a Hanajima.

-Mas Akito-san não fez nada contra a Tohru.

-Sim. Mas a Tohru não era a minha “namorada”. O senhor sabe o quanto que Akito me odeia.

-Mas essa garota não é a sua namorada. Basta vocês falarem que inventaram essa história.

-Fizemos um acordo de mentir por um mês. Não posso voltar com a minha palavra.... E também, eu quero ajudá-la.

Kazuma se espanta um pouco ao escutar aquilo, essa era a primeira vez que via o Kyo querendo ajudar alguém.

-Ajudá-la?

-Sim.... O senhor se lembra que lhe contei que ela tem um dom estranho?

-Me lembro.

-Então, esse dom é como uma maldição também. Desde pequena ela escuta os pensamentos dos outros e sente uns lances de ondas das pessoas. Acontece que agora ela não consegue mais ler os meus pensamentos e nem sentir as minhas ondas. Ela tem um irmão que está tentando entender o porquê que isso aconteceu para assim acabar com a maldição dela.

-Não é por causa da maldição do Jûnishi

-Não. Ela continua escutando os pensamentos dos outros possuídos, e os meus ela também escutava antes da gente se beijar.

-Ah, vocês se beijaram....

-Humm, se bem que pelo que ela falou isso até aconteceu antes da gente se beijar. Será que ela deixou de ouvir os meus pensamentos depois de ver a minha verdadeira forma?

-Ah, ela viu a sua verdadeira forma...

Kazuma não queria demonstrar o quanto que estava espantado por saber que o filho tinha beijado alguém, que estava preocupado com ela, que queria ajudá-la e que até tinha lhe mostrado a sua verdadeira forma. Mas era impossível controlar a agitação que estava sentindo por dentro.

-Eu deveria ter contado isso para o pivete. Pode ser que isso explique. Acho que aquela maluca nem se lembrou disso.

-O que essa garota falou quando viu a sua verdadeira forma?

-Ela disse que eu não era nenhum monstro, que era apenas alguém com uma maldição.

-Entendo.

-Amanhã vou falar isso para ela. Eu quero que a maldição dela acabe logo. Deve ser um saco ficar escutando os pensamentos dos outros. Lá na escola, o pessoal até a chama de bruxa.

-Hum.. Eu gostaria de conhecer essas jovens. Já faz alguns meses que a Tohru está morando na casa do Shigure e eu ainda não a conheci. Como se chama a outra jovem?

-Saki Hanajima.

O homem percebe que ao dizer o nome da garota tinha surgido um brilho especial no olhar do Kyo.

#Será que o Kyo está gostando dessa garota? Eu não posso perguntar isso para ele. Se ele perceber que está gostando dela poderia querer se afastar dela. Mas nunca o vi dessa maneira.#

-Mestre, o que será que Akito poderia fazer contra a Hanajima?

-É muito difícil saber quais serão as ações de Akito-san. Ele pode não fazer nada como fez com a Tohru ou até mesma a mandar apagar a memória da Hanajima como fez com os amiguinhos do Yuki-kun.

-Ou até mesmo a ferir como feriu o Hatori.

-Isso não. Acredito que ele não iria ferir a garota, mas você.....

-Não me importa o que Akito poderá fazer comigo. Nunca me importei com isso e não será agora que irei me importar. Só não quero que ela saia ferida por minha culpa.

-Você quer a proteger tanto assim?

-O pivete nunca iria me perdoar se algo acontecesse com a irmã dele.

-Então converse com o Haru-kun. Seria melhor o patriarca não saber disso por enquanto.

-É. Vou falar com ele.

by DonaKyon

Um comentário:

Knight Beast disse...

incrivel que as pessoas tem a habilidade de não conhecer o proprio coração. Essa fic abordou isso perfeito principalmente nos personagens Hatori, Kyo, Yuki, Tohru...

Queria saber da visão da fic como Shigure e Ayame começaram a gostar um do outro. Enfim seria interessante.